NOTÍCIAS

Qualidade na Educação Superior a Distância no Brasil: Onde Estamos, para Onde Vamos?25/04/2018
Autor: Carlos Eduardo Bielschowsky

A educação superior a distância no Brasil tinha, em 2004, cerca de 60 mil alunos matriculados; cresceu rapidamente e atingiu em 2016 a marca de 1,5 milhão de matrículas, oferecendo importante colaboração para o desenvolvimento do país. Nesse contexto, mais do que nunca, é necessário analisar como se processou esse crescimento e prospectar o futuro, com vista a seu aprimoramento. Foi pesquisado o perfil da oferta atual dos cursos de EaD e comparado com os presenciais. Em 2016 eram 206 Instituições de Ensino Superior (IES) oferecendo EaD, com desempenho médio, medido pelo Enade, equivalente ao dos cursos presenciais. Desse total, apenas cinco IES detinham 58% das matrículas, em sua maioria com cursos com conceito abaixo do patamar de 1,5 nos exames de 2015 e 2016. Isso significa que, na prática, a maioria dos alunos de EaD está frequentando cursos mal avaliados segundo o critério do Enade. Um fato contraditório e alarmente é que essas mesmas IES têm, de maneira geral, resultados do Enade para seus cursos presenciais superiores àqueles obtidos em seus cursos em EaD, indicando que não tratam as duas modalidades com o mesmo critério de responsabilidade. Finalizamos este artigo com a análise do conceito provisório do curso (CPC) be considerando a necessidade de implantar algumas medidas visando ao aprimoramento da oferta na área de Educação a Distância.

Palavras-chave: Qualidade na educação, Educação no Brasil, Educação a distância, Educação presencial, Enade, CPC.

Texto completo em PDF: 
http://abed.org.br/arquivos/qualidade_educacao_superior_distancia_carlos_biel_abr_2018.pdf

Publicado originalmente em: 
http://eademfoco.cecierj.edu.br/index.php/Revista/article/view/709

 
Compartilhar:
Copyright - Associação Brasileira de Educação a Distância - ABED